Resenha: Tony e Susan, de Austin Wright

12 abril 2014

Livro: Tony e Susan
Autor: Austin Wright 
Editora: Intrínseca
Páginas: 334


Sinopse:  Há vinte e cinco anos, Susan Morrow deixou Edward Sheffield, seu primeiro marido. Certo dia, instalada confortavelmente na casa em que mora, com os filhos e o segundo marido, inesperadamente ela recebe, pelo correio, um embrulho que contém o manuscrito do primeiro romance escrito por Edward. Ele lhe pede que leia seu livro: Susan sempre foi sua melhor crítica, justifica. Tony e Susan, de Austin Wright, publicado originalmente nos Estados Unidos em 1993, ganha nova edição, dezoito anos depois de seu lançamento, por se tratar, segundo seus editores, da “mais impressionante obra de arte da ficção americana desde Revolutionary Road, de Richard Yeats”, publicado no Brasil como Foi apenas um sonho. Ao iniciar a leitura, Susan é arrastada para dentro da vida do personagem Tony Hastings, um professor de matemática que leva a família de carro para a casa de veraneio no Maine. Quando a vida comum e civilizada dos Hastings é desviada de seu curso de forma violenta e desastrosa, Susan se vê novamente às voltas com seu passado, obrigada a encarar a própria escuridão e a dar um nome para o medo que corrói seu futuro e que vai mudar sua vida.



Nesse livro conhecemos Susan, uma mãe de família e casada com Arnold. Mas vinte e cinco anos antes, ela teve outro casamento, com Edward.
Em um dia comum para Susan, vivendo suas rotinas de sempre, ela recebe um manuscrito de um livro escrito pelo seu ex-marido, onde ele pede para que ela o leia e dê a sua opinião, já que ela sempre foi a sua mais fiel crítica.

“Não conseguia acreditar que ele queria apenas que ela lesse o livro. Devia haver algo em especial, alguma nova guinada no já morto caso de amor entre os dois. Tentou imaginar o que Edward achava que estava faltando no romance. A carta sugeria que ele não sabia, mas Susan imaginou se não haveria uma mensagem secreta...”

Animais Noturnos é o nome da obra, onde ela mergulha na história de Tony e conhece todas as coisas arrepiantes com que ele passou, ela acaba se identificando com certa personalidade dele e entra dentro da história, onde a traz muitas lembranças de seu passado e começa a analisar todo ele.

“O livro instiga uma apreensão dentro dela, um receio cujo objeto ela ignora, mas que parece diferente do temor presente no relato em si, alguma coisa que está presente nela mesma...”

“Depois Susan teve medo de entrar no mundo do romance, que poderia fazer com que ela esquecesse a realidade. Agora, ao deixá-lo, ela tem medo de não conseguir voltar. O livro se entrelaça em sua cadeira como uma teia. Ela tem de abrir um buraco para conseguir sair. A teia danificada, o buraco vai crescer, e quando ela voltar a teia estará desfeita.” 

O interessante do livro é que conta duas histórias, a de Susan e a do livro que ela está lendo Animais Noturnos. Eu como leitora, consegui me identificar com Susan, no aspecto que ela lê o livro, e faz as suas críticas, os pensamentos dela em relação aquele livro são muito parecidos com os meus, como se eu tivesse lendo aquela obra e analisando junto.

“A gente escreve porque todo o resto morre, é para preservar aquilo que morre. A gente escreve porque o mundo é uma confusão desconexa, que não se consegue entender, a menos que se faça um mapa com as palavras...”

Minha opinião particularmente, preferi muito mais a história de Animais Noturnos, pois nela eu encontrei cenas arrepiantes, decisões extremas, investigação, é uma história um tanto perturbadora. Quanto a história da vida de Susan, infelizmente para mim foi entediante, eu estava muito mais curiosa para saber o fim da outra história.
Mas ao todo é um livro espetacular, muito bem escrito, o autor está de parabéns pelo jeito como ele conseguiu conciliar as duas histórias e tudo ficou perfeito. Recomento muito o livro, principalmente para quem gosta de livros que envolvam o psicológico.

7 comentários

  1. Nunca tinha visto o livro! Adorei a resenha ! Vou ler assim que terminar o que estou lendo agora rs !
    Beijos !

    http://dojeitodasgirls.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. É a primeira vez que conheço o livro tbm, mas obrigada pela dica, adoro ler!
    Seguindo

    Ah! Curiosa
    Juliane Gonçalves - Web Design

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Amei a sua resenha! Nunca li um livro que a algum personagem era escritor de um livro, bem interessante!

    Beijos

    http://olhameucacheado.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Nossa, é interessante. Fiquei curiosa para saber mais. O que ele quis dizer para ela ao enviar o livro?

    Venha no meu blog participar do Concurso Cultural que tem como recompensa o livro "Guerreiras de Oração" de Stormie Omartian.
    http://www.elaecrista.com/2014/04/concurso-cultural.html

    ResponderExcluir
  5. Oie tudo bem? é sempre bom conhecer novos livros daqueles que nao são "modinha" e gostei da leva desse. Gosto de investigação e suspense, entao acho que vou curtir bastante. Adorei a dica!

    Beijos Joi
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  6. Kétrin,
    Não conhecia esse livro, a princípio me pareceu um pouco confuso, duas histórias em uma só, além do fato que é triste você gostar mais da história secundária do que da principal.
    Mas acredito que toda leitura vale a pena, não sei se eu leria esse livro, mas gostei da dica.

    Bjks

    Patty Santos Blog Coração de Tinta

    ResponderExcluir
  7. achei o livro muito chato :(( ainda bem q tinha outra historia dentro p salvar horas de leitura.

    ResponderExcluir