Resenha: Visões Noturnas, de Maurício Caldeira

19 janeiro 2014

Livro: Visões Noturnas 
Autor: Maurício Caldeira
Editora: Novo Século
Páginas: 366


Sinopse: Uma aposta para saber se um dos integrantes de um grupo de amigos tem coragem suficiente para entrar em um cemitério à meia-noite. Um suicida que descobre, no último instante, que sua vida não é tão ruim assim. Bichos de pelúcia que ganham vida e passam a ameaçar seu dono. Uma dívida não paga e um agiota dando uma última chance ao devedor, que terá que passar por uma prova sombria. Uma antiga casa onde um bem-sucedido – porém infeliz – homem de negócios viveu sua infância, e que pode resolver todos os seus problemas. Visões Noturnas é uma coletânea de contos, na qual os personagens estão sempre prestes a descobrir que cada novo acontecimento possui sempre um outro lado, sombrio e assus-tador. Enfrente seus medos, dê as mãos ao autor e deixe-o guiá-lo por Monserrat, uma cidade onde tudo pode acontecer.



Até onde vão seus medos?
Pra quem não sabe, eu sou totalmente apaixonada por filmes, séries, livros, que tenham como tema o terror ou suspense. Esse foi o primeiro livro de terror que eu li, e eu ADOREI.
O livro é dividido em 12 contos, muito rápidos de ler, principalmente porque a leitura te prende até que consiga terminar pelo menos um conto. Então vamos conhecer um pouquinho sobre cada um.

Royal street flash conta a história de quatro amigos, um jogo de pôquer e uma aposta. Toda sexta-feira eles se reuniam para uma jogadinha de pôquer, até que em um desses dias eles estavam conversando sobre medos, e um desses amigos alegou que não tinha medo de nada. E foi aí que entrou a aposta, apostaram entrar a meia noite em um cemitério, mas ele teria que entrar sozinho pra ganhar a aposta, mas os outros três amigos resolveram tirar com a cara dele, e eles iriam entrar escondidos juntos pra fazer barulhos e assustar ele... e foi aí que coisas bizarras começaram a acontecer...
“... Uma simples e terrível aposta, que modificaria por completo o rumo de nossas vidas.”

Auriel mostra a história de Robson, um homem rico, mas com o casamento infeliz, a esposa amava apenas o dinheiro dele. Robson se sentia um inútil, trabalhava tanto e quando chegava em casa só ganhava rejeição da esposa, até que um dia ele resolveu se jogar do alto de um prédio. Quando ele estava se preparando pra pular, apareceu um homem e começou a conversar com ele, querendo saber o porque dele se matar, e tentando fazê-lo mudar de ideia. Mas será que esse homem era um anjo, ou era a morte?
“Pulo de costas ou de frente? , pensou. Mas que diabo, de que aquilo importava? De costas ou de frente, o objetivo era o mesmo: espatifar-se lá embaixo e ficar livre de tudo e de todos. Robson começou a irritar-se consigo mesmo. Não havia mais tempo a perder. Ou saltava logo ou seria capaz de desistir da ideia.”


A casa da infância conta sobre Joseph, um homem que é dono de uma empresa de consultoria de negócios, tem muito dinheiro, mas nenhuma felicidade. Sua mãe havia morrido e seus irmãos o odiavam, por ele sempre ser o “preferido”, então ele era muito sozinho. Um dia ele passou em frente a sua antiga casa onde morou quando era criança, e estava com uma placa de vende-se, Joseph correu e comprou a casa. Quando ele começou a frequentá-la, visitando e relembrando da sua infância, coisas estranhas começaram a acontecer...
“...A saudade é como um roedor, somente esperando que você o liberte para roer suas entranhas. Ele está lá, sempre lá, escondido, adormecido, porém nunca morto. Basta que seu cérebro dê a ordem que o liberte, para que ele comece a se alimentar do seu coração.”

A viagem fala sobre Rogério, ele estava a caminho para uma cidade vizinha em função de uma reunião do serviço. E para o azar dele, estava chovendo muito, ele já estava começando a ficar com medo que algo ruim acontecesse, pois os carros corriam e ultrapassavam sem medo nenhum. Até que uma hora um caminhão que carregava combustível foi ultrapassar Rogério, e adivinhem?  O caminhão tombou, o combustível do tanque explodiu e formou uma imensa bola de fogo. Rogério pensou que aquele seria seu fim, mas pra sua surpresa ele saiu ileso dessa. Logo ele parou o carro e viu todo o estrago que aconteceu, e se sentiu um sortudo por ter escapado dessa. Foi então que ele viu um homem ali sozinho e deu carona pra ele. Rogério percebeu que tinha algo estranho acontecendo, até que uma hora ele se lembrou de algumas lendas urbanas em que fantasmas pedem carona logo após um acidente. E ele se gelou todo, ainda mais depois que o homem pediu pra descer em frente ao cemitério, Rogério não se aguentou a foi atrás do homem pra ver o que ele faria, e foi aí que ele teve uma grande surpresa...
“...Rogério sentiu um frio correndo pela espinha, que se espalhou, gélido, por cada ponto do seu corpo. Não havia muito a fazer. Segurou firmemente o volante, abaixou a cabeça e soltou a expressão clássica de quem vê a morte de frente: um puta que o pariu, praticamente soletrando letra a letra.”

Como uma pedra conta sobre Cássio, que fez um empréstimo com um gângster conhecido como Seu Renato, que cobrava juros enormes depois, mas era o mais famoso por aquele local. Cássio já havia feito outros empréstimos antes com Seu Renato e pagou tudo certinho. Mas o último empréstimo que fez, ele se apertou e não conseguiu pagar. O que será que o Seu Renato fazia com quem não pagava?  E quais seriam as consequências?
“ Quando se tem um inimigo, o mais prudente a fazer é conhecê-lo a fundo. É muito importante conhecê-lo em cada ponto, em cada detalhe, e estar sempre uma jogada a frente, em caso de haver necessidade de enfrentá-lo cara a cara. Isso tudo soa muito bonito, mas é praticamente uma regra o fato de que o inimigo parece estar sempre duas jogadas a nossa frente.”

Embaixo da cama é sobre um casal, Fernando e Luciana, extremamente ricos e cheios de mordomia, gostavam de ficar sozinhos, sem barulho, e compraram uma casa que ficava praticamente no meio do nada, o único acesso era por uma pequena estrada de terra que saía na rodovia principal. Certa noite estavam dormindo, e Luciana acorda porque sente que a cama se ergueu, para surpresa dos dois, havia alguma coisa embaixo da cama, mas o que será que era? Uma pessoa? Um animal? Um alien? Eles não sabem, mas estão prestes a descobrir...
“...A cama voltou a sacudir, novamente sendo levantada para o alto e largada logo em seguida. Parou por alguns instantes e recomeçou, sendo arrastada por alguns centímetros.”

Lado B veremos que na cidade tem muitas pessoas desaparecendo misteriosamente, e claro que tem um assassino aí por trás, e vamos descobrir quem é. Ou melhor, será que realmente sabemos o que comemos fora de casa?
“- Isso mesmo, existe um padrão no desaparecimento dessas pessoas, meu amigo. É assim que os assassinos em série atuam. Com um padrão. E esse padrão tem uma lógica que ainda não descobrimos. Mas, com certeza, para o criminoso, existe uma lógica.”

Em Alta conhecemos a história de Raul, que estava muito doente e foi internado em um hospital, e durante esses dias em que ele estava lá, começou a ver coisas estranhas acontecendo com alguns dos pacientes. Basicamente nos mostra um ponto de vista de como que é a passagem para o outro lado, após a morte.
“ Sim, a morte é um mistério, o maior de todos os mistérios enfrentados pelo ser humano. E a única certeza é de que um dia, seja quando for esse dia, você a enfrentará. E não vencerá. Não há como ganhar. Ela sempre vence.”

O centenário conta sobre Osvaldo, ele acaba de fazer cem anos, e bem no dia do seu aniversário ele é surpreendido com uma presença que faz com que ele se lembre de todos os erros que ele cometeu durante sua vida, e o seu passado começa a persegui-lo e ele precisa tomar uma decisão...
“ Sim, Osvaldo sabia que aqueles catorze anos existiram. Não podiam sem apagados. Mas estavam lá atrás, mortos – em coma - , enterrados – prontos para sair – e ele não pretendia exumá-los de forma alguma. Mas os outros sim.”

O elefante é o pior fala de Celso, e ele conta sobre a sua infância, a parte que marcou sua vida. Quando o pai dele compra dois animais de pelúcia, um urso e um elefante, mas quando ele toca no elefante, Celso jura que sentiu o seu coração bater. Isso mesmo, esses animais de pelúcia, não são nenhum brinquedo...
“ Ambos eram realmente bonitos, mas não me inspiravam confiança. Não sei como alguém pode não ter confiança em um bicho de pelúcia, mas era assim que eu me sentia. Tanto o urso quanto o elefante tinham olhares ameaçadores. Era como se estivessem em posição de ataque e vissem em mim uma presa fácil.”

O arqueiro mostra Afonso, um velho que tinha aparência de um ogro. Ele mora sozinho em um apartamento, e um dia ele compra de índios um arco e flechas, e sabe o que acontece em seguida? O terror em uma praça próxima do apartamento, só se vê flechas em todo lugar, pessoas morrendo e muito sangue...
 “... Nova subida  na escada, nova mira, nova flecha, novo tensionamento do arco, novo alvo...”

Força do hábito... imagina você acordando em um lugar completamente diferente, onde não conhece ninguém, mas que por algum motivo essas pessoas não conseguem vê-lo. Em que toda vez que você acorda, parece que está bêbado e não se lembra do que aconteceu, sempre parecendo que você está vivendo um sonho, e quando tenta caminhar só consegue cambalear. Imagina todas as noites serem assim...
“ O sonho termina de ser montado na minha mente. Sinto que um sono pesado, muito mais forte do que eu, se aproxima. Ele vai me arrebatar e não há nada que eu possa fazer. Assim que isso acontecer, eu adormecerei profundamente. E voltarei a acordar naquela que penso ser minha cama.”

Bem, esses contos me ganharam facilmente,eu recomendo para quem aprecia uma história de suspense, com certeza irá gostar dessa coletânia de contos.

4 comentários

  1. Bom depois do que voce escreveu só me resta achar este livro e começar á ler
    beijios

    https://www.facebook.com/fashionvinteum?ref=hl

    http://fashionvinteum.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou da resenha, e aposto que você vai gostar do livro também :D

      Excluir
  2. Sua resenha ficou muito bem escrita, também já li e resenhei ele. Adorei! Parabéns pelo blog e muito sucesso!

    Beijinhos e até mais, Thamires R.
    http://marcaprovisoria.blogspot.com.br/ - https://www.facebook.com/BlogMarcaProvisoria

    ResponderExcluir